Manutenção
   

INSPEÇÃO TÉCNICA

 

Na inspeção técnica deve-se verificar:

a) As condições do ambiente a que está exposto o extintor de incêndio, quando aplicável;

b) Identificação do fabricante do extintor de incêndio;

c) As condições de lacração, de modo a evidenciar a inviolabilidade do extintor de incêndio, verificando se o lacre tem possibilidade de ruptura quando da utilização;

d) A data da última manutenção e do último ensaio hidrostático, os prazos limites para execução dos próximos serviços, a validade dos mesmos e se não mantidas as condições que preservem a garantia dada aos serviços;

e) O quadro de instruções, legível e adequado ao tipo e modelo do extintor de incêndio, a à faixa de operação indicada;

f) Os aspectos dos conjuntos roscados;

g) O conjunto de rodagem e transporte;

h) As condições aparentes da mangueira de descarga, punho e difusor, quando for o caso;

i) O corpo do extintor de incêndio e seus componentes aparentes, quanto à presença de sinais de corrosão e outros danos;

j) O ponteiro do indicador de pressão na faixa de operação;

k) A existência de todos os componentes aparentes;

l) A desobstrução do orifício de descarga;

m) No caso do extintor de incêndio com carga de dióxido de carbono (CO2), os registros da massa do extintor de incêndio completo com carga (PC), da massa do extintor vazio (PV) indicados na válvula;

n) No caso do extintor de incêndio com carga de dióxido de carbono (CO2), a carga real de gás é realizada por meio da verificação da massa (pesagem), comparando com o valor indicado na válvula de descarga;

o) No caso dos cilindros para gás expelente (ampola) com carga de dióxido de carbono (CO2), a carga real de gás é realizada por meio da verificação da massa (pesagem), comparando com o valor indicado em sua válvula de descarga, ou por meio da verificação da pressão, no caso dos cilindros para gás expelente (ampola) com carga de gás permanente (por exemplo, nitrogênio).

 

MANUTENÇÃO DE PRIMEIRO NÍVEL

A manutenção de primeiro nível consiste em:

a) Limpeza dos componentes aparentes;

b) Reaperto de componentes roscados que não estejam submetidos à pressão;

c) Colocação do quadro de instruções, quando necessário.

d) Substituição ou colocação de componentes que não sejam submetidos à pressão. 

 

MANUTENÇÃO DE SEGUNDO NÍVEL

A manutenção do extintor de incêndio deve ser realizada adotando-se os seguintes procedimentos:

a) Desmontagem completa do extintor de incêndio;

b) Verificação da necessidade do recipiente ou cilindro de extintor de incêndio ser submetido ao ensaio hidrostático;

c) Limpeza de todos os componentes e desobstrução (limpeza interna) dos componentes sujeitos a entupimento;

d) Inspeção visual das roscas dos componentes removíveis e verificação dimensional para as roscas cônicas dos cilindros para extintores de incêndio com carga de dióxido de carbono (CO2) e cilindros para gases expelentes;

e) Inspeção das partes internas, utilizando o dispositivo de iluminação interna, e externas, quanto à existência de danos ou corrosão;

f) Repintura, quando necessário;

g) Regulagem da válvula de alívio, para extintores de pressurização indireta.

h) Regulagem estática do regulador de pressão, pertencente ao extintor de incêndio de pressurização indireta, de forma que permita a pressurização do recipiente para o agente extintor até atingir uma pressão estática de 1,4 MPa (14kgf/cm²);

i) Verificação do indicador de pressão,o qual não poderá apresentar vazamento e deverá indicar marcação correta quanto à faixa de operação;

j) Exame visual dos componentes de materiais plásticos, com auxílio de lupa, os quais não podem apresentar rachaduras ou fissuras;

k) Verificação do tubo sifão quanto ao comprimento, (estabelecido por meio de dispositivo que meça a profundidade do cilindro ou recipiente do gargalo ao fundo interno), integridade da rosca, existência de chanfro, inexistência de deformação, não apresentação de bolhas e demais características que possam afetar o desempenho do extintor de incêndio;

Nota: Quando verificada a necessidade de troca do tubo sifão, por não atendimento a quaisquer dos requisitos descritos acima, esta deverá atender ao prescrito abaixo. A especificação do material do tubo sifão deve ser:

 - Para extintores com carga de água: não utilizar material metálico, exceto aço inoxidável;

 - Para extintores com carga de Dióxido de Carbono: não utilizar materiais plásticos.

l) Avaliação de todos os componentes do extintor de incêndio, realização dos ensaios pneumáticos nos componentes, podendo acarretar na realização de todos os ensaios e/ou na substituição dos componentes que não atendam as especificações técnicas  ou sejam reprovados nos ensaios;

Nota: Embora realizado por meio de pressurização de ar e água, o ensaio de vazamento das válvulas também é considerado pneumático.

m) Verificação da condutividade elétrica da mangueira de descarga.

n) Fixação dos componentes roscados com aperto adequado, sendo que para a válvula de descarga, tampa e mangueira devem ser adotadas as recomendações, para o bujão de segurança, deve ser adotado o aperto especificado pelo fabricante da válvula;

o) Substituição do quadro de instruções, adequado ao tipo e modelo do extintor de incêndio;

p) Montagem do extintor de incêndio com os componentes compatíveis previamente verificados e aprovados, ou com componentes substituídos que atendam às normas, requisitos técnicos e Portarias do Inmetro aplicáveis;

q) Execução de recarga e pressurização do extintor de incêndio;

r) Colocação do anel de identificação da manutenção.

s) Realização do ensaio de vazamento do extintor de incêndio.

t) Colocação da trava e lacre;

u) Fixação do selo de identificação da conformidade;

v) Fixação da etiqueta auto-adesiva contendo declaração e condições da garantia.

 

MANUTENÇÃO DE TERCEIRO NÍVEL

A manutenção de terceiro nível inclui todos os requisitos aplicáveis à manutenção de segundo nível e, adicionalmente, o que se segue:

a) Identificação do ensaio hidrostático;

b) Execução do ensaio hidrostático dos recipientes e cilindros destinados ao agente extintor e ao gás expelente (quando houver);

c) Remoção total ou parcial da pintura dos recipientes ou cilindro;

d) Pintura do recipiente ou cilindro;

e) Substituição do conjunto de segurança da válvula de descarga dos extintores de incêndio de CO2 ou cilindros para o gás expelente (arruela, disco e bujão), posteriormente ao ensaio hidrostático na válvula de descarga.

f) Verificação da resistência à pressão da válvula da descarga.

 

g) Verificação da resistência à pressão da mangueira de descarga.